C A S B A H

C     A     S     B     A     H

domingo, 22 de março de 2009

Havia um sábio que vivia com seus discípulos de maneira errante, viajando sempre, aprendendo sobre a vida, o mundo e sobre si mesmo.
Certo dia, chovia muito forte, tão forte que a estrada de terra por onde andavam transformou-se em barro. A certa altura o grupo encontrou um carro atolado. Seu motorista estava ao lado, orando humildemente para que Deus retirasse o carro do atoleiro. O mestre então ordenou que todos começassem a orar também, pedindo a Deus que aquele homem devoto fosse salvo da tempestade.
Mais a frente encontraram um outro carro, também atolado, e seu motorista estava atrás, empurrando-o com todas as forças, coberto de barro, gritando as mais grosseiras imprecações. O mestre então ordenou que todos empurrassem o carro também. Em pouco tempo o carro estava livre, e o motorista, já mais calmo, agradeceu aos ascetas e seguiu seu caminho.
À noite, já abrigados da chuva, o grupo descansava e comia. O discípulo mais antigo, sempre mais confiante do que seus colegas, achegou-se ao mestre e perguntou-lhe:
- Mestre, não entendo por que no caso do homem devoto nós apenas oramos, e já no caso do homem grosseiro, que maldizia Deus, nós ajudamos a empurrar o carro.
- Meu jovem, – respondeu o sábio – estávamos a serviço de Deus naquela estrada. Deus não faz por nós o que ele nos deu capacidade para fazer; ele nos ajuda, segundo nossos méritos, naquilo que vai além de nossas habilidades. O primeiro homem orava, e o que devíamos fazer era ajudá-lo a orar ainda mais, porque era isso o que ele queria. O segundo empurrava o carro, e nossa tarefa era ajudá-lo a empurrar, porque esse foi o caminho que ele escolheu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário