C A S B A H

C     A     S     B     A     H

quarta-feira, 23 de abril de 2014


Há uma iniciativa em curso que há algum tempo chama minha atenção. Chama-se Mars One (Marte Um).
Trata-se de um projeto que tem por meta estabelecer uma colônia humana em Marte até 2024. A base será construída remotamente nos próximos anos, criando pouco a pouco um ambiente (de espaço muito restrito) que suporte a vida de humanos, que atuarão como pesquisadores das condições marcianas.
Um ponto interessante do projeto é que ele não é financiado por nenhum organismo governamental, de modo que não haja ingerência de nenhum governo sobre a colônia.
Outra característica é o recrutamento de voluntários que serão treinados para a missão, cientes de que terão uma viagem só de ida (one way astronaut), devido à inviabilidade técnica e financeira de enviar uma nave para resgatar os exploradores.
A base receberá quatro novos integrantes a cada dois anos; cada grupo aumentará a força de trabalho responsável pela ampliação das instalações, preparando a base para receber a leva seguinte.
Os exploradores enfrentarão, após os oito anos de treinamento na Terra, uma viagem que deve levar de sete a oito meses em uma nave relativamente minúscula, para em seguida passar possivelmente o resto de suas vidas em um ambiente que disponibilizará cerca de 50 m² por pessoa.
Naturalmente, nenhum deles poderá rever pessoalmente seus parentes e amigos, se os possuírem; contudo, acredita-se que será possível a comunicação frequente com a Terra, com todas as limitações tecnológicas existentes.

Horrível? Pode ser, em alguns aspectos. Mas lembremos que não é a primeira vez que nossa espécie se lança em uma viagem sem retorno para um mundo desconhecido e perigoso. Aliás, hoje estamos em todos os continentes do mundo porque nossos antepassados abriram mão do que já conheciam e arriscaram tudo através de oceanos, desertos e selvas.

Sobre o Mars One, não sei se se trata de um delírio de cientistas e investidores entusiastas, de um golpe publicitário ou estelionatário ou de um projeto sério que pode vir a ser um dos maiores eventos históricos da humanidade. Mas creio que não precisaremos esperar muito para descobrir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário