C A S B A H

C     A     S     B     A     H

terça-feira, 1 de abril de 2014

50 anos atrás...

Às vezes dizem que sou a favor da ditadura. De forma nenhuma. Sou totalmente contra a ditadura, de uma forma geral. Inclusive sou contra essa ditadura que nos obriga a participar do processo eleitoral, a sair de casa a cada dois anos, em um domingo, para votar em alguém ou até mesmo (veja o absurdo) para não votar em alguém.
Certa vez ouvi uma juíza eleitoral tentar explicar a alguém por que o voto ainda é obrigatório no Brasil. Segundo a magistrada, o povo brasileiro ainda não possui maturidade suficiente para que o voto seja facultativo, como ocorre em tantos países. Sinceramente, até hoje tento entender o que ela quis dizer com isso.
Não ataco aqui o direito ao voto. Sou contra o "dever" de voto. A liberdade de voto, para ser plenamente exercida, precisa ser livre. É óbvio. Onde está a liberdade quando o Estado estabelece sanções para quem não exerce seu "direito"?

Nos idos dos anos 60 do século passado o regime militar contava a versão governista da história; hoje, meio século depois, só se vê a versão oposicionista da história, uma vez que os antigos perseguidos políticos hoje ocupam expressiva fração do governo e controlam boa parte dos veículos de comunicação. Inshallah daqui a mais 50 anos possamos reler esse episódio com frieza histórica e objetividade científica.

O fato inegável é que ambos os lados cometeram abusos e excessos. O povo ficou no meio de uma luta que não era dele. Digo e repito: uma luta que não era do povo brasileiro. De um lado tivemos os interesses de capitalistas estrangeiros defendidos com brutalidade e truculência pelos agentes da ditadura; de outro tivemos a doutrina da tirânica União Soviética sendo imposta através das armas e do terrorismo ao nosso povo, tão amigo da paz.
Os defensores dos repressores estatais dirão que eles seguiam ordens, que estavam agindo de acordo com o ordenamento jurídico vigente. Os dos guerrilheiros comunistas alegarão que estes defendiam a liberdade social e a volta ao estado de legalidade. É muito difícil para nós, que somos de uma geração que não viveu os prelúdios do Golpe de 1964, julgar o passado. Falta-nos a experiência do momento, do contexto social.
O que é de fácil apreensão é que ocorreram desmandos por parte dos agentes públicos, em todas as esferas, em todos os escalões. Claro que não falo de todos os agentes. Falo dos desonestos, dos gananciosos, dos inescrupulosos.
Também é impossível não perceber que a luta pela liberdade engendrada pelos militantes de esquerda foi uma falácia cínica, que encobria a tentativa furiosa de impor aos brasileiros uma outra ditadura, que talvez fosse mesmo mais cruel que a existente então, em nome de uma ideologia utópica que nunca teve sucesso em qualquer lugar onde tenha sido implantada. Não é necessário ser historiador, cientista político, sociólogo ou ter qualquer outra formação acadêmica para saber que todos os países que adotaram o socialismo ou o comunismo foram ou são ditaduras, mostrando que o regime esquerdista não se sustenta em uma democracia.
Tenho a impressão de que se os militares não tivessem se insurgido, hoje muitas vozes estariam protestando contra a ditadura comunista brasileira. Isso se fosse possível protestar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário