C A S B A H

C     A     S     B     A     H

domingo, 30 de março de 2014

Por que o Batman é meu super-herói favorito.

Em primeiro lugar, não acho que ele seja um "super"-herói. Alguns personagens são alienígenas, outros possuem poderes divinos, outros são mutantes congênitos ou em decorrência de algum acidente ou experiência científica.

O Batman, no entanto, não veio de outro planeta, não foi agraciado pelos deuses com poderes sobrenaturais, tampouco foi objeto de algum experimento.
Os "superpoderes" dele são realistas: dinheiro (muito), tecnologia e disciplina.

Bruce Wayne poderia ter sido apenas mais um milionário vivendo em mais uma sociedade ameaçada por um governo corrupto, amparado por uma polícia altamente corrupta. Ele poderia ter-se omitido, poderia ter-se corrompido, mas optou por ir para a guerra. E o que moldou seu caráter na primeira fase de sua infância foi a educação que recebeu de seus pais. Quando esses foram assassinados ele poderia ter-se tornado mais um jovem revoltado e usuário de drogas, poderia ter dissipado a fortuna herdada, mas o que norteou seu comportamento nessa nova fase de sua vida foram o ensinamentos morais recebidos de seus pais.

Mas não foi só isso. Após a tragédia que o deixou órfão de pai e mãe, surgiu a figura discreta mas fortemente influente de seu tutor e mordomo da família, Alfred, um homem de passado misterioso, sagaz e de caráter inabalável, que ficou responsável por sua educação e foi fundamental para a criação do personagem Homem-Morcego.

A história do Batman, na minha forma de ver, traz essas lições: a possibilidade de se manter fiel aos valores morais, quando quase tudo e quase todos à sua volta estão corrompidos; a importância da educação recebida no seio da família, como o principal determinante das escolhas do indivíduo diante dos golpes da vida; a capacidade de adaptar o meio e os recursos à sua missão pessoal; a necessidade de uma disciplina espartana para se atingir um objetivo aparentemente inatingível; e finalmente o desprendimento de quem coloca as necessidades da coletividade acima de suas próprias conveniências.

Nenhum comentário:

Postar um comentário